today777 jogo -Por nove votos a um, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou um recurso e manteve a deputada feder

Maioria do STF matoday777 jogo -ntém Zambelli como ré em episódio

Por nove votos a um,émZambellicomoréemepisótoday777 jogo - o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou um recurso e manteve a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) como ré pelo episódio de perseguição com arma de fogo em São Paulo (SP), na véspera da eleição presidencial do ano passado. O julgamento terminou nesta sexta-feira (24).

Continua após publicidade

:: Quem é Walter Delgatti, o hacker que liga Bolsonaro e Zambelli a tentativa de atacar processo eleitoral ::

Zambelli é acusada de porte ilegal de arma e constrangimento ilegal com emprego de arma de fogo. Um dia antes do segundo turno da eleição, a parlamentar perseguiu um apoiador do então candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com uma arma em punho em meio à região central da capital paulista.  

Em agosto deste ano, o STF aceitou a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) e tornou Zambelli ré. Em recurso, a defesa argumentou que a deputada possui porte de arma e, por isso, não haveria nenhuma atitude criminosa.  

Agora, no entanto, o relator do caso, ministro Gilmar Mendes, defendeu a rejeição do recurso. “A decisão de admissão da denúncia explicitou compreensão conforme a qual a existência do porte, nas circunstâncias fáticas narradas pela incoativa, pode não afastar a existência do delito”, escreveu o ministro em seu voto, que foi seguido pelos ministros Cristiano Zanin, Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, Edson Fachin, Dias Toffoli, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso e André Mendonça.  

:: Justiça condena Carla Zambelli a indenizar Manuela D’Ávila ::

Apenas o ministro Kassio Nunes Marques votou pela rejeição da denúncia. "Na espécie, a acusada dispunha de autorização legal, emitida pelas autoridades competentes para portar a arma de fogo no momento em que sofrera a ofensa, de sorte que, nas circunstâncias destes autos, presente, na origem, a legitimidade da pretensão de se realizar a prisão em flagrante do ofensor, não há elementos de fato suficientes à caracterização do crime em comento", pontuou Marques.  

STF forma maioria a ação contra Carlos Bolsonaro 

Também nesta sexta-feira (24), o STF formou maioria para manter uma queixa-crime do PSOL contra o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).  

Até o momento, votaram a favor da manutenção da ação os ministros Cristiano Zanin, Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, Edson Fachin, Dias Toffoli, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso e o relator Gilmar Mendes. Na sua vez, o ministro Kassio Nunes Marques pediu vistas – mais tempo para analisar o recurso da defesa de Carlos Bolsonaro. Também falta votar o ministro André Mendonça.  

Carlos é alvo de uma queixa-crime protocolada pelo PSOL devido a um post em que o filho de Bolsonaro relacionou o ex-deputado Jean Wyllys a Adélio Bispo, autor da facada em 2018 contra o ex-presidente.  

Edição: Geisa Marques


Relacionadas

  • Senado aprova PEC que limita decisões individuais no STF e outros tribunais

  • &39;Pejotização&39; avança em decisões do STF e gera reação de especialistas e membros da Justiça do Trabalho

  • Tensão entre Congresso e STF faz parte da &39;rotina democrática&39;, mas não deve extrapolar poderes, dizem analistas

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.cc777sitemap